13 November 2016

Knit Edit


 O Inverno está a chegar! E veio em força. Aqui em Lisboa, as temperaturas caíram para menos de 15ºC – o que é frio para nós lisboetas, já que estamos tão habituados ao calor e ao tempo húmido. Apesar de ainda não ser tempo de casacos de peles, quis mostrar-vos como se pode estar quentinha e, ao mesmo tempo, ter estilo. O look é simples, mas elegante. Estava a usar uma camisola de malha preta sobre uma saia plissada dourada – o chapéu é opcional, mas dá-he um ar mais invernal. O que acham?

The winter is coming! Indeed it is. Here in Lisbon, the temperatures fell below 15ºC – which is cold for us Lisbon people, since our weather is usually warm and humid. Though it's not time for fur coats yet, I wanted to showcase how to be warm and, at the same time, stylish. The look is really basic, but tidy. I was wearing a black knit sweater over a pleated gold skirt – the hat is optional, though it provides a more wintery feel to it. What do you think?


photography by Catarina Santiago

06 November 2016

The World Is Your Oyster



“Exister, c'est oser se jeter dans le monde” - Simone de Beauvoir.

A fase de transição de menina para mulher tem sido uma revelação. Quando acabei os estudos e comecei a trabalhar, senti que entrava num mundo de oportunidades infinitas – o que pareceu assustador à primeira. A vida que sempre imaginei para mim podia iniciar-se a qualquer momento, e os sonhos para uma Inês adulta concretizar, podem agora ser realizados.

Sinto que tenho ganho mais controlo sobre as minhas ações e decisões, e, consequentemente, ganho mais confiança. A menina de 10 anos que era gozada por ter o cabelo grosso e por não usar roupa de marca, é agora livre de preconceitos e abraça as suas diferenças. É uma mulher que quer conhecer o mundo e não tem medo de enfrentar os desafios. Não liga a comentários mesquinhos e concentra-se na vida imensa que tem pela frente e os milhares de planos para riscar da lista. É uma fase emocionante!

O que o blog me trouxe, de há um ano e meio para cá, foi o desenvolver desta auto confiança. Num mundo (pronto, plataforma) em que sou eu que mando, que sou eu que crio e que protagonizo, é difícil estagnar. Há que ser criativo e todos os dias melhorar. Há que perder a vergonha para tirar fotografias em sítios públicos – principalmente, sabendo que o resultado final será incrível –, há que ter lata para partilhar em todas as redes sociais a nossa criatividade e arriscar a exposição de alguma intimidade. O blog é um desafio pessoal, todos os dias se quer ultrapassar diversas metas, quer sejam de visionamento, de conteúdos ou de qualidade (sendo esta última a mais importante para mim). E essa competição comigo mesmo é saudável.

A ambição que tenho ganho nesta fase da vida e com o blog tem criado em mim uma ânsia de viver ao máximo, de aproveitar cada oportunidade e de apreciar a minha realidade.


[EN]: The stage of transitioning from a little girl to a grown woman has been a true revelation. When I finished my studies and started working, I felt a new entrance to a world  with unlimited possibilities – which felt quite scary at first. The life I had envisioned could begin at any moment, and the dreams for a grown Inês could now come true.

I feel like I've been gaining more control over my actions and decisions, and, consequently, gaining more confidence. The 10-year-old girl who was mocked for her thick hair and non branded clothing, is now free of prejudices and embraces her differences. She’s a grown woman now who wants to discover the world and isn’t afraid of the challenges. She won’t care about mean and petty comments, she focuses on the good things and on her life and all the plans she has instored. It’s an exciting phase!

What this blog has given me, from this one year and half, was the development of this self-confidence. In a world (alright, this platform) where I’m in charge and it is me who creates and who plays the leading role, it’s difficult not to grow as a person. One has to be creative and improve oneself everyday. There can’t be no shame when it comes to photographing in a public space, because you know it’s the end result that will matter, or when it is time to share your creativity among all your social networks and risk exposing some of your intimacy. Blogging is a personal challenge, everyday we want to surpass our goals – either being in terms of reach, or content, or quality (this last one being the most important one). And that competition with myself is a healthy one.

The ambition I have conquered at this stage and with my blog has created in me a yearn for living on the highest mode, to grab every opportunity that comes my way and to appreciate the reality I have.

 

Photography: Márcia Soares

02 November 2016

Modern Day Ballerina


Como ex-criança bailarina que sou, aprendi a ter postura e a ficar sempre direita em todas as ocasiões. Daí, este look. Assim que vi estas sabrinas de ballet na Zara (sim, eu sei que a marca portuguesa Josefinas tem um modelo igual e muito mais confortável), tive de as combinar com uma saia de tule fofa e a T-shirt mais cool. Sentindo-me feminina e leve, lá saltei de um sítio para fotografar para outro. E quem capturou esta minha graciosidade foi a espantosa nova fotógrafa Márcia (vê aqui o se trabalho).

Foi bom relembrar os momentos quando nós, as meninas entre os cinco e os 10 anos, nos vestíamos rapidamente com os nossos maillots cor de rosa bebé e saias de cetim, ao pé de um pequeno jardim, no sótão do nosso colégio. Eram duas vezes por semana que tínhamos ballet, a seguir às aulas da Miss Teresa. Nunca foram aulas de dança rigorosa, aliás tenho memórias bem divertidas desses tempos, como quando uma versão minha de quatro anos seguia os passos das mais velhas nos mais exercícios complicados e, uns anos mais tarde, era o nosso grupo das Ineses – sim, éramos cinco com o nome Inês – quem liderava as mais pequenas na apresentação de final de ano – senti-me tão importante na fila da frente desse espetáculo (aliás, nas semanas seguintes, estava sempre a tocar essa música no meu leitor de CDs).


É engraçado saber como essas aulas, a que ia tão inocentemente, tiveram um impacto tão grande na maneira como hoje ando e como me comporto na sociedade. O passado realmente molda uma pessoa.

[EN]: As a former kid ballerina, I learned how to be poised and to stand straight at all times. Thus, this outfit. As soon as I’ve laid my eyes on these ballet flats from Zara (yes, I know Portuguese brand Josefinas have the same model and are way more comfortable), I had to combine them with a fluffy tulle skirt and the coolest tee. Feeling feminine and light, there I hopped from one photo spot to another. And who captured my gracefulness was this amazing new photograph Márcia (make sure to check her work out in here).

It was good to remember the times when us, little girls between five and ten years old, would dress up quickly with out little soft pink leotards and satin skirts, by a garden, in the attic of our school. It was twice a week that we'd have ballet, after Miss Teresa's classes. The ballet classes were never strict, in fact I remember having a lot of fun there, like one time, the four-year-old version of me was always copying the hard steps from the older girls, and years later, being in a group of older girls, it was us that were leading the younger ones in the final presentation – I felt so important being at the front row of that show (two weeks later, I was still playing the same music on my CD player).

 It's funny to know how those classes that I attended so innocently, had a huge effect on the way I walk now and how I behave in society. The past really shapes us.

NEWBURY © 2016 | Template by Blogs & Lattes