25 May 2017

Tips and tricks to edit your IG photos like a PRO


Recentemente no Instagram, tenho tido vários pedidos para que eu explicasse como edito as minhas fotografias. E apesar da minha edição não ser nada de especial para mim, achei que podia ser interessante para vocês verem o meu método e podermos trocar dicas.

Para os me seguem no insta (se não és um deles, o que estás à espera? A minha conta é @inesserodio95), podem ter notado que eu gosto de evidenciar cores vivas, elementos distintos e uma boa composição no geral. Apesar de não ter nenhum tema e as minhas imagens serem à volta de vários tópicos (estilo, comida e paisagens urbanas), eu tento alterná-las e brincar com as suas tonalidades (por exemplo, fazer um trio só de imagens vermelhas, outra de azuis, etc).

Antes de passarmos para os meus truques e apps de edição, gostava de vos deixar 3 dicas:

DICA #1
Tira o máximo de fotografias até sentires que aproveitaste todos os ângulos. E não estou a dizer 3, estou a dizer 20 fotografias diferentes. Explora os ângulos (de cima, close up, de lado) e brinca com a luz, a sombra, objectos complementares como pessoas, árvores, céu, mãos, jóias, etc. Desta maneira, de certeza que terás uma perfeita.

DICA #2
Usa luz natural, ou uma lâmpada de luz branca por cima da mesa. Isto vai facilitar a edição em grande parte. Pois quando se aumenta a exposição de uma fotografia, alguns detalhes desaparecem, e mesmo que se aumente o contraste, não fica muito natural. Às vezes, para uma fotografia de um look, fica melhor na sombra do que directamente com a luz do sol.

DICA #3
Não exageres na claridade. É muito bonito ter um feed clean e claro, mas se tirares a cor todas da fotografia, os elementos perdem-se, não há linhas claras a separar o fundo do elemento principal e parece ser de uma dimensão só.

Agora, vamos editar!

[EN]: Lately on the 'gram people have been asking me how I edit my photos. And, though, for me it's a no-brainer editing them, I feel like it would be interesting to share my editing method and to exchange tips between us. 

For the people following me on Instagram (if you are not already, what are you waiting for? My account is @inesserodio95), you might have noticed that I'm really into bright colors, distinct elements and a good composition overall. Although I have no theme and my pictures are all around various topics (style, food, cityscapes), I try to alternate them among each topic and play with the tones (for instances, do a blue trio, next do a red trio, and so on).

Before heading to the actual editing tools and tricks, I'd like to leave you with some tips. 

TIP #1
Take as many pictures until you feel you have taken advantage of all different angles. And I mean like 20 different ones, not only three. Explore the angles, the light and shadow, play with complementing objects (for example, people, trees, hands, jewellery). This way you'll be sure to have the right one.

TIP #2
Use natural lighting when outside, or a really good white lamp right above the food. This will facilitate the editing. Otherwise, if you're improving the exposure, many details will disappear, and using the contrast to make them appear, doesn't often look that natural. Sometimes for outfits, it's better to take a photo in the shade.

TIP #3
Don't overuse the highlight feature – this will white out the picture, take the natural colors  and shapes making it seem like a 1D photo with no clear lines. It's beautiful to have a clean and light feed, but know how to do it so the picture is not a big blur.

Now onto the editing!

Vamos começar com uma fácil.

1. A foto original foi tirada numa rua em Lisboa. Estava contra-luz e apareceu muito mais amarela do que era na realidade.

2. Levei-a para o VSCOcam – a minha app de edição de imagens de eleição – e apliquei o filtro HB1, um filtro claro. Depois ajustei a cor da imagem para focar mais no tom azul.

Let's start with an easy one.

1. The original photo was taken in Lisbon. It was against the light and it came up much more yellow than in reality.

2. I took it to VSCOcam – my trustee editing app – and applied the HB1 filter, a light one. Then adjusted the colors to enhance the blue tone.


Esta foi mais complicada.

1. A foto original foi tirada no Friendly Flamingo, um café em Lisboa. Aproveitei a incrível mesa de mármore e a luz natural que vinha do tecto de vidro para tirar a fotografia.

2. Depois, editei-a no VSCO com um filtro claro (HB1).

3. Usando outra app muito boa – a Snapseed – resolvi o problema do desenho no café desvanecido. Com o pincel, baixei a exposição apenas no café e ressuscitei o desenho.

This was a tricky one.

1. The original photo was taken at Friendly Flamingo, a coffee shop in Lisbon. I took advantage of their amazing marble top and their natural light coming from the glass ceiling to take the photo.

2. Then I edited it in VSCO with a light filter (HB1).

3. With another amazing app – Snapseed - I tackled the faded latte art. With the brush, I lowered the exposure only on the coffee and brought the design to life.


Da câmera para o Instagram.

1. A foto original foi tirada na Fundação Champalimaud, em Lisboa. Esta foi tirada com a câmera fotográfica, ao invés das anteriores que foram tiradas com o iPhone. Eram 5 da tarde e o sol estava alto e forte, fazendo com que eu ficasse contra-luz.

2. Com a versão grátis do Lightroom para o Mac, fiz um aprimoramento automático na imagem e melhorei a exposição, a claridade, a vibratibilidade e a saturação.

3. De seguida, fiz airdrop da imagem para o iPhone e editei-a no VSCOcam, desta vez com um filtro mais quente (E3).

4. E por fim, usando o Snapseed, melhorei a exposição na minha cara, outfit e na parede. E ainda aumentei a saturação na camisa para realçar a sua cor viva.

From the camera to Instagram.

1. The original photo was taken at Champalimaud Foundation, in Lisbon. This one was taken with my camera, and not with the iPhone like the previous ones. It was 5 pm so the sun was bright and high, making the photo look against the light.

2. With the online version of Lightroom for Mac, I auto-fixed it and enhanced the exposure, clarity, vibrancy and saturation.

3. Then, I airdropped it to my phone and edited it with VSCOcam, but using a warmer tone (E3).

4. Lastly, using Snapseed, I enhanced the exposure on my face, my body and on the wall. And saturated the shirt so the bright red would pop.


E aqui estão algumas das minhas edições. E tu como editas? Conheces os programas que eu uso?


And here they are: my editing tricks. What about how you edit your pics? Do you use any of these apps that I mentioned?

23 May 2017

WRAP UP TOP (& THE EFFECTS OF #AD POSTS)


Podem chamar-me de influencer (agora que estou quase com 4k de seguidores no Instagram), mas, na verdade, eu sou é uma influenciada! 

Quer dizer, tiro o curso de Marketing, aprendo todas as "manhas" das marcas e das agências de comunicação e, mesmo assim, deixo-me cair na teia que as digital influencers criam! Ok, não estás a apanhar nada. Deixa-me explicar. Esta camisa que vês em cima e em baixo foi uma compra por Insta-Impulso, ou seja, vi em duas contas de Instagram de pessoas que admiro (a Emitaz e a Alice Trewinnard) e o meu cérebro só parou quando tive esta peça na mão. 

Isto de usarem pessoas reais e amigas para a venda de produtos tem sido cada vez mais recorrente em redes sociais e é incrível como resulta em pessoas ingénuas (como eu). E digo isto sem vergonha, porque a camisa é mesmo gira e se eu puder ajudar uma causa sem fins lucrativos, fico contente (na verdade não é uma causa, é uma marca, e não é sem fins lucrativos, na verdade lucra e muito! Ok, não tenho mais desculpas!)! Óbvio que não vou comprar tudo o que me aparecer no meu feed, tenho discernimento nas minhas escolhas (apesar de algumas serem feitas inconscientemente, elas vão de acordo com os meus gostos), mas coisas bonitas da Zara são difíceis de resistir – ai, sou tão superficial...

Por favor digam-me que são como eu, não quero ser a única que admite cair nestes posts de #ad #spon #noshameinmakingmoneyoutofmyfollowers #ibuyfollowers!

[EN]: You can call me influencer (now that I'm almost reaching 4k insta followers), but, in fact, I'm more of an influencee!

I mean, I finished a Marketing degree, I learn all the tricks that brands and communication agencies use and, still, I let myself fall into the marketing traps brought to us by digital influencers. Ok, I'm not framing this right. So, you see this shirt I'm wearing (above and below this text)? This was bought by an IG-impulse, meaning I saw two influencers wearing it and I couldn't rest till I had the same exact shirt in my hands – it's sickening, I know.

Using real and friendly people to advertise products on social media has been so recurrent and it's amazing how naīve people (like me) fall for it – meaning, buy the products. And I say this with no shame, because this shirt is indeed so cute and if I can help a non-profit organization, I'm glad (though is not an organization, it's a brand, and it's not non-profitable, in fact, is really profitable. Alright, I have no excuses left!)! Obviously that I'm not buying everything that comes up on my feed, I'm selective in my choices (tho some are unconscious, they still go accordingly to my taste), but nice pieces from Zara are quite hard to resist – jeez, I'm so shallow...

Please tell me you're like me, I don't want to be the only one who falls for these #ad #spon #noshameinmakingmoneyoutofmyfollowers #ibuyfollowers types of posts!


Fotografia de Catarina Santiago

18 May 2017

Boneca de Porcelana


Esta sessão é uma ilusão. O que começou por ser um conceito natural num ambiente orgânico, acabou por se revelar num estilo de fotografia em que eu não acredito. Se olhares para a de cima, o que encontras? Nada. É essa a resposta. A minha pele está perfeita, sem os meus sinais no nariz nem as minhas sardas imperfeitas. Sem pêlos nem rugas de expressão.



Então e nesta? Se me conheces pessoalmente sabes que o meu nariz não é assim tão perfeito. Aliás, levou-me uns anos a aceitar o meu alto na cana do nariz. Mas, aqui, parece que fiz uma rinoplastia e tenho o nariz que sempre desejei (secretamente) ter.


Cada vez mais acredito na beleza natural e nas imperfeições. Custa aceitar-nos a nós próprios quando somos rodeados por conceitos de beleza falsa e superficial de pernas alisadas sem uma marca de celulite ou narizes bem construídos ou mamas redondas e perfeitas com um estômago de aço. Mas mesmo com esses estigmas de beleza distorcida desta sociedade exigente e crítica, há esperança quando existem modelos de pessoas que quebram as barreiras e mostram-se orgulhosos por quem e como são. Há mulheres que mostram as suas curvas e orgulham-se da sua figura não convencional (ou seja, não anorética de modelos de passadeiras), mulheres que mostram as suas estrias como marcas de guerra quer após um parto ou apenas de crescimento e celulite idem (agora até criaram autocolantes de celulites para se colocarem em bonecas).


Sinto-me hipócrita com o discurso de que devemos aceitar as nossas imperfeições e depois mostrar-vos estas fotografias modificadas no Photoshop. Mas a verdade é que o resultado da sessão serviu como lição, não só para mim como para vocês. É sempre diferente vermos como poderíamos ser numa alternativa utópica e perfeita, e foi isso o que a Thamires me mostrou. A Thamires é uma fotógrafa profissional que trabalha com books para modelos. Nesses books (portefólios que as modelos apresentam às agências) é preciso estar no melhor. Daí as suas edições serem mais carregadas para atingir aquela perfeição de revista.

A Thamires foi impecável, sempre sorridente, sempre a dar dicas de como usar as minhas melhores feições e de, ao mesmo tempo, descontrair e divertir.

E por isso não quero estar a criticar o seu trabalho, apenas mostrar como não estou habituada a ver-me tão trabalhada como uma boneca de porcelana e que, por vezes, uma sarda aqui ou ali dá um aspecto mais natural.

14 May 2017

The Eatable Boxy – BOB & BOXY, the April's edition


Como muitas de vocês sabem – espero eu –, eu trabalho com a BOB&BOXY, o primeiro serviço de subscrição de produtos orgânicos da Escandinávia. Tenho estado a ajudar a Patricia, a dona da marca, nestes últimos três meses, e a segunda caixinha que ajudei a criar foi esta, a de Abril. E sim, sei que já estamos em Maio, mas não queria deixar de vos mostrar o que esta caixinha continha.

Muitas das caixas que preparamos têm produtos de cuidado da pele ou cosméticos orgânicos, como a do mês passado (vê aqui). No entanto, este mês queríamos mesmo surpreender as nossas subscritoras com snacks orgânicos e saudáveis. É isso mesmo, produtos comestíveis. Tivemos em mente a aproximação dos dias de praia e o cuidador maior com o corpo nesta altura.

Aqui estão os 7 produtos que te saíram na boxy de Abril!

Se quiseres receber todos os meses este tipo de produtos, inscreve-te no site.

[EN]: As many of you know – I hope –, I'm working with BOB&BOXY, the first subscription service of organic products in Scandinavian. I've been helping Patricia, the owner, for the last three months, and the second box I helped assemble was the April one. I know that is May already, but I really wanted to show you what's inside this lovely box.

Many of the boxies that are prepared are mostly with organic skincare or cosmetics, like the previous one (check it here). Though this month, we wanted to surprise our subscribers with organic and healthy snacks. That's right, eatable products. We had in mind the approaching beach days and the bigger focus with our bodies for this time of year.

Here are the 7 products you got in the April boxy!

If you wish to subscribe to BB, check the website here. We ship monthly and worldwide.


Os snacks dividem-se, essencialmente, em dois grupos: os que se comem e os que se bebem.

Para se comer em casa ou no trabalho, temos (da esquerda para a direita, e de cima para baixo):

– Fruta desidratada (ananás e kiwi) da marca britânica Nim's
– Cacau orgânico com recheio de côco e baunilha da marca britânica OMBAR
– Trufas de chocolate branco com rosa, cereja, côco, quinoa, baobab e beterraba da marca britânica Functional Food Company
– Barras energéticas de framboesas com caju, tâmaras, passas, amêndoas e bagas goji da marca britânica Squirrel Sisters, sem glúten nem lactose

The snacks are divided into two separate categories: ones to eat others to drink.

To eat at home or at work, we have (from left to right, and top to bottom):

– Fruit crisps (pineapple and kiwi) from the British brand Nim's
– Organic cacao with a soft filling of coconut and vanilla from the British brand OMBAR
– White chocolate truffles with rose, cherry, coconut, quinoa, baobab and beetroot from the British brand Functional Food Company
– Raspberry energy bars made with caju, dates, sultanas, almonds and goji berries from the British brand Squirrel Sisters, without gluten nor dairy


E para se beber durante a manhã num dia chuvoso temos:

– duas saquetas de chá (verde e hortelã e alcaçuz) da marca britânica TeaPigs
– uma saqueta de matcha orgânica do café dinamarquês BYOH Matcha Bar em Copenhaga

E um miminho extra:
– um creme de corpo da marca suíça Weleda

And to drink in the morning of a rainy day we have:

– two tea sachets (green tea and liquorice & peppermint tea) from the British brand TeaPigs
– one organic matcha sachet from the Danish coffeeshop in Copenhagen BYOH Matcha Bar

And an extra goodie:

– body lotion from the Suisse brand Weleda


Que snack gostariam de provar?

Which snack would you like to try?



12 May 2017

FRIENDLY FLAMINGO


Deixem-me começar por dizer que o cappuccino é apenas 1.50€. E não é dos maus! Pelo contrário, tem um sabor aveludado e suave. E ainda oferecem a opção de leite vegetal. Que mais se podia querer nesta vida?

Ok, exageros à parte, isto do cappuccino rendeu-me. Bem como o espaço amplo do Friendly Flamingo, com sofás grandes e confortáveis, tomadas eléctricas a cada passo e ilustrações engraçadíssimas. 

Este café em Campo de Ourique é o Starbucks 2.0 de Lisboa. Perfeito para trabalhar ou estudar, para apenas tomar um cappuccino e um brownie e conversar por horas (que foi exactamente o que fiz com a Tânia) ou alongar-se por um brunch de refills aos fins-de-semana. Refills porque basicamente paga-se um preço fixo (12€) e pode-se voltar ao buffet e pedir cappuccinos até se cair para o lado.


Para os mais atentos, tentem contar quantas referências o espaço tem sobre flamingos. Eu contei 27!


Rua 4 de Infantaria, 3A, Campo de Ourique, Lisboa